quinta-feira, 9 de setembro de 2010

3. ESTRANGEIRISMOS À PARTE...



"O gatilho cedeu, toquei o ventre polido da coronha e foi aí, com um barulho ao mesmo tempo seco e ensurdecedor, que tudo começou. Sacudi o suor e o sol. Compreendi que destruíra o equilíbrio do dia, o silêncio excepcional de uma praia onde havia sido feliz. Então, atirei quatro vezes no corpo já inerte, em que as balas se enterravam sem que se dessem conta; como quatro batidas secas, à porta da desgraça."

Muitos aqui sabem que há muito o meu escritor preferido é o "pied noir" Albert Camus.
Desde os meus primeiros contatos com seus pensamentos, ideias e aforismos, o franco-argelino passou a habitar o meu cotidiano.Desde "A Queda", passando por "Estado de Sítio" e outras obras de igual valor, as necessidades colocadas por Camus me serviram ocmo um aperitivo para a busca de respostas e hábitos do homem em conflito com seus próprios dilemas e com a sociedade.

Mas a obra que aqui entra em terceiro lugar é "O Estrangeiro", de 1942, que com "O Mito de Sísifo" e "Calígula" encerra a trilogia do absurdo, teoria defendida pelo autor, em harmonia com as ideias de outros pensadores, como Jean-Paul Sartre, cuja base reina no existencialismo.

No livro vive o escriturário MERSAULT, que vive uma vida apática, indolente e indiferente a tudo, indiferença essa que não o tira da inércia nem mesmo em situações pra lá de delicadas ao cidadão comum, como a morte de sua mãe, por exemplo.

Um dos poucos momentos em que vive fora da paralisia, Mersault acaba matando um homem durante uma caminhada à beira mar, após um momento de delírio causado por uma insolação.

Quando preso, ele permanece indiferente à própria sorte e ao crime que cometeu, nao dando qualquer importância ao ato e à vida de quem assassinou.

O romance mostra um personagem que vive em um mundo que lhe parece absurdo, aflorado pela falta de sentido visto também em sua condenação como criminoso, ato que transcende o seu entendimento e é dominado por um encadeamento de forças o qual não domina nem compreende.

Camus deixou claro com a excepcional obra a força do homem que precisa lutar com todas as forças contra o absurdo de não se associar a um humanismo ativo e crítico; ele condena também, em outros escritos, a alternativa da revolução coletiva, apostando na revolta individual como a única solução possível.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

restless truths


Minha fase rosa,meu pensamento livre e a mentira sobre o auto-controle.
A verdade, uma mente inquieta,uma alma curiosa
e um coração inflamável.
Mas a verdade interessa a poucos.



My pink phase,my free thoughtand a lie about self-control.
The truth,a restless mindan inquisitive souland a flammable heart.
But the truth entertains very few people.

Por Kenia Cruz em http://poesiatorta.blogspot.com/

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

o som e o sentido


O ponto de ruptura

Luís Fernando Veríssimo

Não me lembro de título, diretor, nada. Era um filme italiano com o Mastroianni. Faz anos. O Mastroianni tinha uma obsessão: vivia enchendo balões até que arebentassem. Precisava descobrir o ponto exato que antecedia a ruptura dos balões, o exato ponto em que um sopro, um hálito a mais faria o balão estourar na sua cara. E é claro que só descobria até onde podia soprar depois que o balão estourava na sua cara. O ponto exato era o que antecedia o estouro, só podia ser descoberto quando não adiantava mais nada. Você só sabe até onde pode ir quando já foi.

Também não me lembro que uso simbólico fazem, no filme, dessa atormentada obsessão do personagem, nem como ela se encaixava na trama. Devia ter algo a ver com nossa relação com o tempo e o autoconhecimento. Afinal, nossa biografia só faria sentido para nós depois de nossa morte, literalmente depois do último hálito, quando nada mais faz sentido para ninguém. A trama certamente não terminava bem. Desconfio que o Mastroianni morria no fim, não de filosofia de mais, mas assassinado por alguém aos gritos de “Pare com esses malditos balões!”(...)

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

segunda-feira, 26 de julho de 2010

traças visíveis



"O BRASIL, com sua fina armadura moderna colada sobre esse imenso continente fervilhante de forças naturais e primitivas, me faz pensar num edifício corroído cada vez mais de baixo para cima por traças invisíveis. Um dia, o edifício desabará, e todo um pequeno povo agitado, negro, vermelho e amarelo vai se espalhar pela superfície do continente, mascarado e munido de lanças, para a dança da vitória."


Por Albert CAMUS, em visita ao Rio de Janeiro em 26 de julho de 1949.




ANIVERSARIANTES do dia



1875 - Nasce Carl Gustav Jung, psicólogo suíço.


1894 - Nasce Aldous Huxley, escritor britânico.



1908 - Nasce Salvador Allende, presidente do Chile entre 1970 e 1973.


1856 - Nasce George Bernard Shaw, dramaturgo irlandês, Prêmio Nobel de Literatura em 1925.



1943 - Nasce Mick Jagger, vocalista dos Rolling Stones.



1928 - Nasce Stanley Kubrick, cineasta norte-americano.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

HIV CAMPAIGN 2009 - parte 2

Bring Me Flowers!, Elena Mora, Itália

Be Careful With Your Connections, Paulo Melo, Portugal

Don´t Use Condom, Stefano Lionetti, Itália



Double Sentence, Itália
Talk About It Is Not a Crime, Marche Aline, França






Practice Education, Not Repression, Michal Janicki, EUA


HIV Is Not a Crime, Sanluca Delfinis, Itália



Crime!, Selcuk Ozis, Inglaterra



HIV Positive, Giovanni Mastroeni, Itália
Cartazes da campanha "HIV/AIDS", publicados em http://good50x70.org/2009

quinta-feira, 22 de julho de 2010

afogado no QUASE mesmo





"O bomba membói, espetáculo extraordinário. É uma espécie de balé grotesco, dançado pro máscaras e figuras totêmicas, sobre o tema que é sempre o mesmo: a matança de um boi.
Sobre esse tema, os personagem improvisam em parte; por outro lado recitam um texto em verso, sem parar de dançar. As márcaras são extraordinárias:dois palhaços vermelhos, um cavalo-marinho no interior de um cavalo de mentira, uma cegonha, um fanfarrão vestido de gaucho.Dois índios e, naturalmente, o boi, o “morto carregando o vivo”, espécie de manequim com dois corpos, o filho do vcavalo, o potro saltador, um homem de pernas de pau, o crocodilo e, dominando o conjunto, uma morte de pelo menos três metros de altura, que contempla o espetáculo com a cabeça lá no alto, no céu da noite.
(...) A origem religiosa é evidente, mas tudo isso afoga-se numa dança endiabrada, mil invenções graciosas, finalizando com a morte do boi, que renasce logo depois,e foge levando uma menina entre os chifres.
A conclusão num grande grito:
“Viva o senhor Camus e os cem reis do Oriente”.
Volto para o hotel, entorpecido pela gripe.


por Albert Camus, Recife, 22 de julho de 1949.

terça-feira, 20 de julho de 2010

um certo KAYMI


Depois do jantar, Kaymi, um negro que compõe e canta todos os sambas que o país canta, vem cantar com seu violão. São as canções mais tristes e mais comoventes. O mar e o amor, a saudade da Bahia. Pouco a pouco, todos cantam e vê-se um negro, um deputado, um professor da Faculdade e um tabelião cantarem esses sambas em coro, com uma graça muito natural. Totalmente seduzido.”

Por Albert Camus, em 20 de julho de 1949.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

depressão pós-peladas


"Campeonatozinho mixuruca, não tem nem segundo turno."

Garrincha, após a Copa de 1958.

Caricatura por BAPTISTÃO.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

canja em escarcéu




SONETO IMPATROCINADO
Texto e frustração por Marco de Araújo Bueno

"A bola não é inimiga, como o touro numa corrida"
João Cabral de Melo Neto, in 'Museu de Tudo'

"
Contrariando o João Cabral
Jabulani é inimiga!
(Vida própria, essa boçal?)
Qual um touro na corrida;

Nesta Copa surreal,
Vuvuzela faz babel-
Ensurdece o ‘keeper-goal’;
Jabulânico escarcéu.

Oito gomos, muita franja,
Voa a esmo, sobe a mil !
(Não à toa deu ‘laranja...)

Jabunela-vuvulanja,
Que só mela e entorna a canja:
- Fique à puta* que a pariu!



{*- Empresa sob cujo patrocínio nasceu a bola Jabulani}

terça-feira, 6 de julho de 2010

O JAZZ em pessoa



Louis Daniel Armstrong, morto em 6 de julho de 1971.



segunda-feira, 5 de julho de 2010

utensílios semivivos


A bola não é inimiga como o touro, numa corrida;
e embora seja um utensílio caseiro e que se usa sem risco, não é o utensílio impessoal,
sempre manso, de gesto usual:
é um utensílio semivivo, de reações próprias como bicho,
e que, como bicho, é mister (mais que bicho, como mulher),
usar com malícia e atenção,
dando aos pés astúcias de mão.

João Cabral de Melo Neto

terça-feira, 22 de junho de 2010

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Mandoulous Prochuveirous e outros craques na África...


















Cobertura Moderna

Por JOÃO Ubaldo Ribeiro, publicado no Jornal O Globo em 20 de junho de 2010.


Esse que entrou agora aí é o Güterwagen, que joga no Strappaziert de Colônia, não é isso mesmo?

- Isso mesmo, é a sexta participação dele num jogo dessa seleção alemã. A primeira foi num amistoso em Munique, em 15 de maio de 2008, quando ele entrou em campo para substituir Trockenbagger, que saiu contundido exatamente aos 23 minutos do segundo tempo. E a anterior a esta foi na última partida das eliminatórias, quando ele ficou no banco. Foi a 19ª vez em que ele ficou no banco e, curiosamente, sempre sentado do lado direito do técnico, exatamente como está agora.

- Perfeito. Mas parece que ele não está sozinho nessa mania, não tem um outro jogador que faz a mesma coisa?

- Você está lembrando o zagueirão Plusqueparfait, dos Camarões.

- Isso mesmo, o Plusqueparfait, o popularíssimo Pupu! Eu conheço muito os pais do Pupu, estive lá com eles, em minha última visita à aprazível Yaoundé, capital da República dos Camarões. O Plusqueparfait naturalmente mora na França, onde joga no Bêtise de Toulouse, mas seus pais, d. Muana e s. Buano, ainda moram lá em Yaoundé, naquela vida simples a que estão acostumados. Não creio que eles estejam me assistindo agora, mas, de qualquer forma, quero enviar um abraço especial para d. Muana, carinhosamente chamada de Muanette pelos seus familiares. Um beijo para a d. Muanette aqui de nossa equipe, o esporte é assim mesmo, o futebol é assim mesmo, aproxima as pessoas e os povos. Epa! Enquanto eu estava distraído aqui, o Wagenspinner irrompeu pela grande área adentro e mandou uma bomba que o goleirão espalmou de susto! Eu acho que essa ele espalmou de susto, não foi, não?

- É o que parece. Essa bola saiu a 126 quilômetros por hora, quer dizer, um pontapezinho respeitável.

- É verdade, essa foi apenas a terceira bola de mais de 125 quilômetros disparada do lado esquerdo da grande área, no primeiro tempo de um jogo entre seleções de continentes diferentes, este ano!

- Também com aquele pezão, o Wagenspinner… Olha só o tamanho, o pé dele parece uma prancha de surfe.

- É o maior número de chuteira da Copa, 48, bico largo, e assim mesmo feita sob medida para ele. O Wagenspinner superou o Schlepper, também da seleção alemã, que até a Copa passada era o recordista, calçando 47. Hoje o recorde do Schlepper já foi igualado por Nicomakowsky, da Rússia, e Zambetovic, da Sérvia. E o recorde absoluto do chuteirão agora é indiscutivelmente do Wagenspinner.

- Que não gostou, porque o árbitro já havia invalidado o lance anterior ao chute dele, marcando impedimento do seu companheiro Wildeber. Para mim, não estava, eu acho que o Sakonakara dava condição ao Wildeber, bem ali do lado direito. Vamos rever aqui.

- Marcação perfeita. No instante do lançamento, o Wildeber estava quatro centímetros à frente do Sakonakara, em clara posição de impedimento. Acertou o árbitro, mais uma vez.

- É, realmente, quatro centímetros, dá pra ver aqui sem a menor sombra de dúvida. A arbitragem tem tido um padrão muito bom, nesta Copa, não tem?

- De modo geral, sim. Nesse caso mesmo, trata-se de um trio grego de muita tarimba. Os auxiliares, Oipopoulos Saidopoulos e Papapoulos Catapoulos, estão em sua primeira Copa, mas são muito experientes, cada um com mais de 15 anos na liga grega. E o árbitro principal, Seforpênaltis Eudoulos, está em sua segunda copa. Esse é um árbitro com grande história pessoal, neto do lendário Mandoulous Prochuveirous, que fez escola em toda a Europa balcânica, apitando pela liga macedônia. Seu neto pode não ser igual a ele, até porque são outros tempos, mas é um árbitro muito bom. E tem um senso de colocação também muito bom, você vê que ele está presente em todos os lances, mas não corre muito, desloca-se sempre na medida do necessário. Veja aqui, só correu até agora um total de 0,9 quilômetros, o que é muito pouco, quando se sabe que, nesta Copa, a média de distância percorrida pelos árbitros está bem acima de dois quilômetros e acho que quem cravou três quilômetros no bolão das distâncias percorridas pelos árbitros vai se dar bem, apesar da contenção aqui do sr. Eudoulos.

- É verdade, eu também tenho essa opinião. E quanto ao futebol que está sendo jogado no momento? Por enquanto, a posse de bola está bem equilibrada, com 51 por cento para os alemães e 49 por cento para os japoneses. Um instante, mudou agora! Ah, sim, a última verificação dá 52 por cento para os alemães e 48 por cento para os japoneses, alterou-se o panorama!

- É, pode ser até empolgante, mas não creio que venha a se refletir no resultado da partida. Eu acho que o problema enfrentado pelas duas equipes, talvez um pouco mais pela japonesa, é uma questão de atitude.

- Que é isso, cara, a questão da atitude era na Copa passada, nesta é a qualidade.

- Tem razão, distração minha. Qualidade, claro. É óbvio que a seleção da Alemanha, até pela sua tradição futebolística, tem mais qualidade do que a japonesa. Mas…

- Termina o primeiro tempo! Não vá embora, porque no intervalo teremos a execução do Concerto Número Um para Vuvuzela e Orquestra, com o famoso solista Tispandongo Uzuvido, a Copa é uma festa!

sábado, 19 de junho de 2010

ENSAIO sobre as palavras - parte II




Amaram o amor urgente

As bocas salgadas pela maresia

As costas lanhadas pela tempestade

Naquela cidade

Distante do mar

Amaram o amor serenado

Das noturnas praias

Levantavam as saias

E se enluaravam de felicidade

Naquela cidade

Que não tem luar

Amavam o amor proibido

Pois hoje é sabido

Todo mundo conta

Que uma andava tonta

Grávida de lua

E outra andava nua

Ávida de mar
E foram ficando marcadas

Ouvindo risadas, sentindo arrepio

Olhando pro rio tão cheio de lua

E que continua

Correndo pro mar

E foram correnteza abaixo

Rolando no leitoEngolindo água

Rolando com as algas

Arrastando folhas

Carregando flores

E a se desmanchar

E foram virando peixes

Virando conchas

Virando seixos

Virando areia

Prateada areia

Com lua cheia

E à beira-mar


Mar e Lua, por Francisco Buarque de Holanda, nascido em 19 de junho de 1944.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

ENSAIOS sobre as palavras...




"Quantas vezes, para mudar a vida, precisamos da vida inteira, pensamos tanto, tomamos balanço e hesitamos, depois voltamos ao princípio, tornamos a pensar e a pensar, deslocamo-nos nas calhas do tempo com um movimento circular, como os espojinhos que atravessam o campo levantando poeira, folhas secas, insignificancias, que para mais não lhes chegam as forças, bem melhor seria vivermos em terras de tufões. Outras vezes uma palavra é quanto basta."

JANGADA DE PEDRA, José Saramago.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

enquanto a bola rola...












.











..ela também quica, voa e assume novas formas da maneira mais agradável, esfuziante e encantadora possível!
E é claro que não estou me referindo à Copa do Mundo de Futiba, isso por dois motivos: é fato que a característica maior da pelota nos gramados mundo afora se dá pelo ato de rolar; e também porque se há algo de esplendor acontecendo no meio esportivo no momento é a finalíssima do basquete da NBA entre os gigantes Los Angeles Lakers e Boston Celtics.


Quem acompanhou os últimos jogos sabe o que estou a dizer. A série final está empatada em 3 a 3, e a última partida, que irá definir o campeão desse ano, será realizada na proxima sexta-feira, dia 18.
Imperdível para os amantes da bola alaranjada e dos quiques magistrais dados por ela à mão de seus artífices.

Celtics e Lakers integram o grupo dos mais tradicionais clubes da NBA desde os idos dos lendários Larry BIRD e Earving Magic JOHNSON (retratados abaixo).
E ainda haverá quem diga que a maior atração esportiva da próxima sexta será Eslovênia versus Estados Unidos, em Johannesburgo.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

a degola, enfim...



“O futebol é constituído em sua maior parte pela técnica, e esse esporte fantástico foi feito para o prazer, para o gozo, e não para correr para cima e para baixo dando pontapés como uma galinha degolada”.

Johann Cruyff, jogador holandês, destaque nas copas de 1974 e 78.

sábado, 5 de junho de 2010

inedito viaggio










FRANCESCA SCHIAVONE,


primeira italiana a vencer o Grand Slam de Roland Garros.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

BARBAS, neuroses E BIGODES




NA DIVIDIDA
luis fernando veríssimo


Contam que depois de um vexame do David Beckham num jogo da Copa na Alemanha, sua mulher Victoria teria ligado para seu celular e dito algo como "Anime-se, baby. Seu cabelo estava ótimo".Uma frase cheia de sentidos. Significava que futebol é apenas futebol e que nada é tão trágico que não tenha suas compensações. Significava que ninguém deve se abater com um tropeço passageiro porque a vida continua e pode ser bela, ainda mais se você é o David Beckham e tem o seu cabelo. Mas, pressupondo-se uma dose de cinismo no comentário da Victoria, que era uma das Spice Girls, ou garotas apimentadas, a frase era para lembrar o marido das suas prioridades: tudo pela Inglaterra, certo, baby, mas acima de tudo a sua. A seleção não era tão importante quanto o estado do seu cabelo. Com os jogadores de futebol ganhando cada vez mais e portanto sua integridade física valendo cada vez mais, não é de admirar que na hora de meter o pé para dividir uma bola a questão das prioridades passe pela sua cabeça, em meio segundo. Arriscar tudo — perna, sustento da família, contratos de publicidade, futuro — na dividida, ou esquecer tudo isso e entrar, pela camiseta ou pela pátria, para rachar? Uma crítica feita a alguns jogadores brasileiros naquela Copa era que estariam mais preocupados com suas imagens pessoais do que com o sucesso do grupo. Cada um tinha o seu cabelo do Beckham para cuidar.Não sei até que ponto a decisão do Dunga para dirigir a seleção nasceu desta constatação, justa ou não. Ninguém imaginava que ele fosse um estrategista, mas se existiu um jogador que nunca hesitou em entrar de corpo, alma e cabelo numa jogada, na história recente do futebol brasileiro, foi o Dunga. Ele teria sido contratado menos como técnico do que como exemplo. O que torna toda a discussão sobre planos e táticas e jogadores convocados ou não convocados um pouco irrelevante. Dunga nunca escondeu o tipo de jogador que prefere, e foi coerente. Sua coerência como treinador é a mesma do jogador que entrava na bola sempre com a mesma decisão, sem pensar em se autopreservar. Anunciando sua convocação coerente apesar de toda a pressão, Dunga foi, mais uma vez, na dividida.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

sábado, 29 de maio de 2010

post 800...


Lembrar da expressiva marca que alcança a octingentésima postagem neste espaço me obriga a olhar para o momento presente e pensar em ninguém menos que a minha querida afilhada, VICTÓRIA NASCIMENTO OSÓRIO, que, por mais que não deixe transparecer, dada a sua fulminante e contagiante alegria, precisa da minha ajuda neste exato momento.
E PENSAR que ajudá-la não ultrapassa muito a singela rotina de jogar bola, brincar de pique-pega, assistir a desenho animado na telinha e conversar sobre muitas coisas novas, com ênfase nas novas palavras de seu delicioso, inesgotável, renovável e recém-criado vocabulário...(:
Abraços a todos que aqui aparerem desde o primeiro post, cada qual à sua maneira.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

feitiço ao cadafalso


"Calmamente, desafectadamente, Rumbold subiu os degraus do cadafalso em impecável traje matinal e levando sua flor favorita, o Gladiolus Cruentus. Ele anunciou sua presença por aquela gentil tosse que tantos têm tentado (mal-sucedidamente) imitar — curta, meticulosa mas ademais tão característica do homem. A chegada do mundifamoso carrasco foi saudada por um bramar de aclamações da enorme concorrência, as senhoras vice-reais ondulando seus lenços na excitação enquanto os ainda mais excitáveis delegados estrangeiros vivavam vociferamente numa miscelânea de gritos, hoch, banzai, eljen, zivio, chinchin, polla kronia, hiphip, vive, Allah, em meio dos quais os tintineantes evviva do delegado da terra do canto (em duplo fá agudo que lembrava aquelas penetrantes notas adoráveis com que o eunuco Catalani enfeitiçara nossas tetravós) eram facilmente distinguíveis. Eram exactamente as dezassete horas. O sinal da prece foi então prontamente dado por megafone e num instante todas as cabeças se desnudaram, sendo o sombrero patriarcal do Commendatore, que estava na posse da sua família desde a revolução de Rienzi, removido por seu consultor médico de serviço, Dr. Pippi.


Excerto de ULISSES, de James Joyce.

terça-feira, 25 de maio de 2010

MEMORIAM in elevare anima


















Miles Dewey Davis Jr, nascido 25 de maio de 1926.